Guandalini Posicionamento

Estações Totais da Leica Geosystems

As Estações Totais são ferramentas fundamentais em obras da engenharia no mundo inteiro, permitindo encontrar a posição de um ponto no espaço com precisões surpreendentes, na ordem de milímetros.

Estes equipamentos possuem uma placa que enviam um pulso laser até um alvo refletor, recebendo de volta em frações de segundos, proporcionando uma medição direta, tanto entre o instrumento e o alvo, quanto entre dois ou mais alvos. Além da distância precisa, as Estações também possuem limbos horizontais e verticais, que armazenam estes ângulos de rotações. Com essas informações, é possível realizar um caminhamento ao redor de áreas grandes, passando por traz de edificações, medindo todos os pontos de interesse, encontrando a localização de determinados pontos em qualquer ambiente, dentre diversas outras aplicações.

Existem diversas marcas e modelos de Estações Totais no mercado, no entanto é necessário ficar atento a alguns pontos importantes ao escolher o melhor custo benefício para sua empresa. A principal questão a se analisar é quando nos referimos às precisões fornecidas, pois a utilização deste tipo de aparelho é justamente para garantir esta confiança ao se marcar pontos de um projeto. Quando o custo para produzir e vender uma Estação Total é muito baixo, acaba-se desconfiando da qualidade dos materiais ali utilizados, logo, causando desconforto ao trabalhar em obras de grande porte.

Uma marca renomada no mercado que podemos citar, é a Leica Geosystems, uma empresa Suíça, com mais de 200 anos no mercado produzindo equipamentos de extrema qualidade e garantindo fielmente a precisão descrita em catálogo por muitos anos. Estas Estações Totais Leica ficaram muito conhecidas no Brasil e podem ser encontradas em quaisquer regiões do país, nos mais variados tipos de obras, desde trabalhos mais simples, com poucas exigências, até gigantescas obras, tais como barragens hidroelétricas, pontes, metrôs, tanto em suas construções, quanto em seu monitoramento ao longo dos anos.

Podemos citar como as Estações mais conhecidas no mercado hoje, a linha Leica Flexline, composta por três aparelhos, a TS02, TS06 e a TS09. 

Estes equipamentos ficaram em linhas de produção por muitos anos, e ainda são indispensáveis até hoje por muitas empresas, topógrafos, agrimensores, e profissionais do ramo, por ainda garantirem a qualidade e precisão de quando foram adquiridas. Assim como os veículos, estes instrumentos também precisam passar por revisões periódicas, prolongando a vida útil ainda mais. Desta forma, ao adquirir uma Estação Total, busque sempre analisar se contará com pós venda, assistência técnica autorizada, suporte técnico especializado, etc, para que esteja protegendo seu investimento a curto e longo prazo.

Atualmente o mercado conta com as Estações Leica sucessoras ao modelo anterior, trazendo ainda mais precisão e qualidade em seu conjunto. As novidades e que muitas empresas já atualizaram, são chamadas de Leica Flexline TS03, TS10 e TS07, apresentadas na imagem a seguir, respectivamente.

Essa nova geração de Estações manuais Leica Geosystems veio para garantir ainda mais precisão, qualidade, robustez, confiança, tecnologia e muitas outras qualidades aos trabalhos da engenharia no Brasil e no mundo. A versatilidade combinada a confiança vem ganhando a cada dia mais novos usuários, pois ao se calcular a longevidade destes instrumentos, o valor se diluirá ao longo do tempo. Para adquirir um destes modelos, existem muitas opções hoje no Brasil. A empresa Guandalini Posicionamento conta com uma rede de distribuidores ampla em todos os estados, permitindo um acesso próximo dos clientes. Também conta com planos de atualizações de equipamentos e planos de carreira, pois você poderá adquirir hoje um aparelho, com garantia de que poderá ao longo de um período fazer a troca para um modelo superior, evoluindo gradativamente, ganhando cada vez mais benefícios, tecnologias, versatilidade e produção.

Gostou do conteúdo? Navegue até a aba de Rede de Vendas e converse com um representante mais próximo de você para mais detalhes e surpreenda-se.

 

X-PAD Ultimate: X-TILT

O aplicativo de campo para Android X-PAD Ultimate, recentemente disponibilizou uma ferramenta que possibilita a coleta de pontos com o bastão inclinado, mesmo com o receptor não tendo nenhum tipo de sensor interno, como tradicionalmente é utilizado por receptores disponíveis no mercado, e que já fazem medições inclinada, porém, apresentam um alto custo. Essa ferramenta, por tanto, funciona para pontos coletados por receptores GNSS, bem como pontos coletados por estações totais através de prismas.


Essa tecnologia baseia-se nos sensores IMU (inertial measurement unit) do dispositivo de coleta. O procedimento exige a priori uma rápida e fácil calibração, na qual o dispositivo de coleta pode estar inclinado, e em seguida, no X-PAD, basta seguir a instruções, visualizar a bolha eletrônica e finalizar a calibração.

Uma vez que essa ferramenta se baseia nos sensores da coletora, ela se estende a todos os modelos de receptores GNSS e algumas estações total da fabricante GEOMAX, desde que, o X-PERT da licença não esteja expirado, o que impossibilita os clientes mais antigos de terem acesso a essa tecnologia, sendo necessário sua reativação, a qual possui um custo.

Após a calibração, parte-se para a coleta de pontos inacessíveis, que exigirá que se faça medições com bastão inclinado, sendo necessário a medição do ponto em questão em duas direções, e assim, as coordenadas do ponto serão calculadas automaticamente. Lembrando que isso também vale para coleta de pontos com estações total utilizando prisma.

Obviamente para melhores resultados há algumas recomendações, como já mencionado, utilizar a coletora da forma mais estável possível, o bastão utilizado deve estar com a sua bolha calibrada, e de preferência ao realizar o procedimento de medição com o bastão inclinado em relação a duas direções, o ângulo formado por essas direções deve ser próximo a 90°.

 Sobre os benefícios, essa função por ser compatível com qualquer receptor GNSS ou estação total da GEOMAX que é suportada pelo X-PAD, não requer nenhum hardware especial desses equipamentos. Com essa função a medição de pontos inacessíveis é feita de maneira mais rápida e mais fácil que se comparada aos métodos tradicionais que se baseiam em medições de off-sets e distâncias. Possui uma calibração imediata e resultados acurado.

Para mais informações sobre essa ferramenta, que é uma solução única no mercado, entre em contato com a Guandalini Posicionamento ou como nossos parceiros mais próximos.

Plano Hexaline: o plano de carreira da sua Estação Total

Já pensou dar um UPGRADE na sua Estação Total? Com o Plano Hexaline é possível! Mesmo possuindo um equipamento de outra marca, você poderá fazer o upgrade para Geomax e Leica. Depois poderá migrar passo a passo ou saltando etapas para evoluir com equipamentos cada vez mais produtivos.

Com o Plano Hexaline você alia tecnologia e produtividade em seus projetos.

Assista o vídeo abaixo para saber todas as informações:

X-PAD Office Fusion – Pós Processamento de Dados

A Geomax inovou mais uma vez em seu portfólio de produtos e desenvolveu o Software X-PAD Office Fusion para Pós Processamento de dados GNSS.

Este novo módulo permite o controle e visualização dos dados levantado em campo, assim como a realizaçãõ do Pós Processamento dos dados brutos, tudo em um único ambiente de trabalho. A imagema abaixo mostra a tela do programa com a visualização dos dados de campo medidos pela controladora. Desta forma é possível analisar como foi realizado o trabalho, facilitando as integrações entre as equipes de escritório e campo. 

Considerando uma empresa que tenha as equipes separadas, ao final do dia, os equipamentos são descarregados, para saírem no próximo dia logo pela manhã para outra obra. Neste momento, com a utilização do Software X-PAD Office Fusion, a equipe de escritório gerencia os dados descarregados, sem a necessidade dos equipamentos estarem presente.

Para utilização do Pós Processamento de dados, o usuário basta clicar em um botão dentro do programa, para ser direcionado à plataforma de manuseio dos dados brutos. A imagem abaixo ilustra este módulo, exemplificando a facilidade e funcionalidade das ferramentas presentes, tais como, analise gráfica de pontos Base e Móvel (Rover), botões intuitivos com desenhos para facilitar o manuseio dos arquivos, lista de pontos com diversas informações organizadas por colunas, download de dados da RBMC Brasil muito rapidamente, visualização do mapa de fundo ao seu levantamento com imagens do Google Imagens, otimizando e esclarecendo possíveis dúvidas diretamente dentro do Fusion. 

Para conhecer melhor o programa e experimentar na prática, entre no site da Geomax e baixe o Software Completo por 30 dias para explorar estas poderosas ferramentas. O download pode ser feito gratuitamente pelo link: https://geomax-positioning.com/products/software/x-pad-suite/x-pad-fusion

 

 

Emlid Reach RS2 alcança 8km com rádio interno

Tempo de leitura: 6 minutos

A equipe técnica da Guandalini Posicionamento realizou um teste de alcance utilizando o rádio interno do Emlid Reach RS2, que é um rádio de nova concepção, de baixo consumo de bateria e frequência diferente dos demais rádios do mercado.

Com o Reach RS2 você alcançará longas distâncias com um equipamento robusto, leve (950g) e a prova d’água e poeira (IP 67). O rádio LoRa interno do Reach RS2, alcançou 8 km de linha de base!  Para entender a disposição da base e rover, realizamos o teste KML na cidade de Inconfidentes, MG, região montanhosa, e mesmo assim, foi possível alcançar os 8 km.

Ambos receptores utilizavam apenas o rádio interno, cuja potência é de 100 mW, a antena utilizada foi a que acompanha o equipamento, ou seja, qualquer pessoa que adquirir duas unidades do Reach RS2 consegue reproduzir o teste, sem necessidade de nenhum rádio ou antena especial.

Conheça o receptor Reach RS2 da marca EMLID, um receptor que possui uma tecnologia inovadora, de fácil utilização. Chega de rádio externo, cabos e coletoras caras e ultrapassadas, com apenas um celular na palma da mão e o aplicativo ReachView 3 disponível gratuitamente para android e IOS, pelo Wi-Fi, configure, crie obras, colete e implante seus pontos de maneira simples e rápida.

O Reach RS2 é composto por uma placa GNSS multifrequência (L1/L2/L5), multiconstelação (GPS, GLONASS, Galileo, BeiDou e QZSS). Possui uma incrível bateria interna, com autonomia de até 22 horas no modo pós e 16 horas em RTK.

Colete arquivos brutos diretamente no formato RINEX (5Hz – 10Hz), para realização de transportes e pós processamento de pontos. Usufrua da possibilidade de trabalhar com o seu receptor no modo NTRIP, conectando a redes geodésicas e obtendo solução fixa com alta precisão em longas linhas de base.

Acesse o receptor de maneira simples e fácil via Wi-Fi. Usufrua do aplicativo da própria EMLID, disponível gratuitamente. Com este aplicativo intuitivo e de fácil configuração, trabalhe sem maiores dores de cabeça. Colete e implante os seus projetos de maneira simples e fácil.

 

 

 

 

Levantamento Batimétrico com Reach RS+: Lago Marine Creek, Texas

Tempo de Leitura: 6 minutos.

Hoje em dia a batimetria de alta precisão é possível graças às tecnologias GNSS. Não há maneira mais simples de descobrir o que está embaixo d’água ou como é o relevo submarino sem utilizar métodos que não integram informações de posicionamento acurados em conjunto a outros sensores. A SimpleUnmanned, uma empresa localizada em Kerens, Texas, realizou pesquisas no lago Marine Creek para descobrir a profundidade do lago em toda a sua extensão.

Homem ao lado de lago

Descrição gerada automaticamente

Figura 1: Willis Maxson, da SimpleUnmanned.

A equipe tinha duas partes do lago para explorar, ambas com a utilização da técnica PPK, com um receptor Reach RS+ embarcado em um veículo não tripulado, controlado remotamente. Uma parte foi levantada usando como base o Reach RS+ que estava no local e a segunda parte usou dados da base do CORS1 mais próxima do local para pós-processar os resultados.

1: CORS (Continuously Operating Reference Stations, em português Estações de referência em operação contínua) é um serviço similar, no Brasil, à RBMC do IBGE ou ao CEGAT. É uma rede que fornece dados GNSS de estações espalhadas pelo território norte-americano em tempo integral.

Preparação para as missões

Para esta missão, as equipes utilizaram:

  1. Duas unidades Reach RS+: uma como base e outra como rover móvel;
  2. Um veículo de superfície não tripulado (UAV) – um barco para montar o receptor;
  3. Um sistema de sonar instalado no barco para coletar dados sobre a profundidade; e
  4. Uma estação CORS próxima para obter os dados para pós-processamento.

Figura 2: Imagem dinâmica do Reach RS+ acoplado ao veículo não tripulado.

Parte I: Levantamento PPK com o Reach RS+ de base

O primeiro passo é planejar a missão autônoma do barco. O barco com o receptor Reach RS+ embarcado segue a rota planejada e registra os dados para pós-processamento cinemático. Ao explorar a primeira parte do lago, a equipe usou uma segunda unidade Reach RS+ como base. Ele foi colocado na costa registrando dados brutos para realização posterior do processamento.

Figura 3: Passos de execução do projeto.

Os dados de posição do receptor Reach RS+ foram, posteriormente, mesclados com os dados de profundidade do sonar. Usando os dois conjuntos de dados, a equipe criou um mapa de profundidade do lago. Com o Reach RS+, a SimpleUnmanned conseguiu atingir uma precisão de levantamento de nível centimétrico.

Parte II: Levantamento PPK com a base do CORS

O fluxo de trabalho era praticamente o mesmo da primeira parte. No entanto, a equipe optou por usar dados da base CORS próxima ao local. Esta base estava situada a poucos quilômetros do local de levantamento.

O veículo com o receptor Reach RS+ embarcado seguiu o roteiro planejado. Os dados do receptor foram posteriormente processados ​​juntamente com os dados da base CORS. A correção permaneceu fixa durante toda a missão.

Figura 4: Resultado da parte II, utilizando como base a estação da CORS.

Não há necessidade de integrar o Reach RS+ ao sistema do barco quando se trabalha no modo PPK. No entanto, a equipe teve que ficar atenta aos dados do sonar, para ter certeza de que estavam em conformidade com os dados de posicionamento do receptor GNSS.

Receptores Reach para batimetria

Tanto o Reach RS+ quanto o Reach RS2 estão equipados para trabalhar na água. Eles são à prova d’água e se encaixam perfeitamente em levantamentos de superfície de lagos ou rios. Os receptores obtêm a precisão de até um centímetro, recebendo as correções via protocolo de rádio LoRA ou via protocolo NTRIP.

Se o problema for espaço ou o peso dos receptores, os módulos M+ ou M2 podem solucioná-lo. Eles funcionam exatamente como os receptores e com a sua precisão, com a diferença de poder posicionar a antena separada do módulo GNSS, gerando novas possibilidades de montagem de seu veículo não tripulado.
O aplicativo ReachView 3 está disponível gratuitamente para iOS e Android. Saiba mais e escolha seu receptor Reach para levantamentos!

Postado originalmente em: https://emlid.com/br/performing-rtk-ppk-bathymetric-surveys-reach-rs/

O que posso gerar com os dados de um Laser Scanner?

Tempo de leitura: 6 minutos.

Quando se fala em Laser Scanner ainda existe uma repulsão do público, pois ainda existem pessoas que se assustam quando houve a respeito desse tema. O como já citamos algumas aplicações no post A nova onda: Laser Scanners, este post tem finalidade de apresentar produtos que podem ser gerados a partir dos dados do Laser Scanner.

O dado que o Laser Scanner vai entregar como produto, é uma nuvem de pontos, que pode, se utilizado um apoio topográfico, estar georreferenciada. A nuvem de pontos nada mais é do que uma quantidade muito densa de pontos que representam a área/objeto em estudo como realmente é.

Abaixo citei algumas aplicações mais comuns para as nuvens de pontos oriundas de levantamentos realizados com Laser Scanner.

Criar maquete 3D de construções civis

Foi realizado um levantamento para a reforma de um hotel de luxo em Londres. A construção possui 8 andares e mais de 1000 quartos distribuídos em mais de 4 km de corredores. O objetivo do levantamento era criar um planejamento para o projeto, composto de plantas e perfis, e também preservar o patrimônio histórico.

As-built industrial

A aplicação de Laser Scanner em áreas industriais já está bastante consolidada, devido ao nível de detalhes que a nuvem de pontos proporciona, quando comparados, Laser Scanner x Estação Total. Como esse tipo de trabalho precisa de muitos detalhes, não se tem alternativas a não ser trabalhar com o Laser Scanner, que além da nuvem de pontos, possui imagens panorâmicas (360°).

Análise de dissipação de calor

Quando utilizado um Laser Scanner como o Leica BLK360 que possui sensor termal, além da possibilidade da modelagem, é possível também fazer uma análise de temperatura dos objetos escaneados. A análise de temperatura permite, por exemplo, analisar o quão eficiente o sistema de ventilação está.

Verificar se houve divergência entre o projeto e o que foi executado/construído

As obras civis são executadas a partir de projetos, porém durante a execução do mesmo, aparecem algumas intercorrências que podem mudar ou desviar o projeto do plano inicial. E quando isso não é corrigido durante a execução na planta, é necessário realizar um levantamento ao finalizar o projeto para verificar como foi construído (as-built). Na imagem, os tubos verdes referem-se ao projeto e a nuvem de ponto, a construção final – as-built.

Monitorar estruturas

A Teledyne Optech tem uma solução, em que usando o Laser Scanner Polaris é possível realizar o monitoramento de uma estrutura, o equipamento alcança precisão de 4mm em 100 metros. O sistema de monitoramento é composto por um Laser Scanner, computador e um software. O software gerencia a hora de início do monitoramento e faz o cálculo, caso ocorra movimentações acima do tolerado, o sistema ativa alarme que irão ajudar na prevenção de desastres.

Clash detection ou detecção de pontos de interferência

Grandes empresas do ramo industrial fazem uso de máquinas grandes dimensões, e adquirem equipamentos mais modernos, talvez até menores, precisam fazer um planejamento para a remoção da estrutura antiga e implantação da nova. Este processo pode ser auxiliado pela nuvem de pontos, onde é gerado um as-built da empresa e também do próprio equipamento, assim, através de softwares, simulam o deslocamento para fora da estrutura física da empresa, e veem onde ela se choca com a estrutura existente, assim podem planejar o que precisará ser feito para que a troca atualização dos maquinários ocorra da forma mais rápida possível, minimizando custos.

Reconstruir cena de crime

No Brasil a justiça é lenta, isso é causado pela grande quantidade de demanda e pouca quantidade de mão de obra, portanto, torna-se importante conservar as cenas de crime. Uma forma de fazê-la é escaneando com Laser Scanner, assim é possível armazenar a cena do crime por quanto tempo for necessário, precisando apenas de espaço em disco. As cenas armazenadas podem ser inspecionadas mais tarde.

Calcular volumes de pilhas de materiais

Creio que esta seja a segunda maior aplicação do Laser Scanner, vindo logo após a industrial… Para calcular volume de pilhas de materiais o uso de nuvens de pontos está bastante consolidado e é bem preciso em seu resultado. A nuvem de pontos pode ser manejada no próprio software do fabricante para encontrar volumes, seja por exemplo um volume de corte e aterro ou o volume a partir de uma determinada cota.

Conheça o X-PAD Office Fusion

Tempo de leitura: 4 minutos.

Você já ouviu falar sobre o X-PAD Office Fusion?

O X-PAD Fusion é um software de desktop que integra dados geoespaciais de diversos equipamentos, tais como: Estações Totais, GNSS, Scanners e outros sensores em um único ambiente.

Diferente de outras soluções de software do mercado, o X-PAD Fusion oferece aos nossos clientes uma solução que gerencia as medições, coordenadas, desenhos, nuvens de pontos e outros tipos de dados em UMA ÚNICA plataforma de forma simples e intuitiva.

Um novo conceito de software para processar todos os tipos de dados geoespaciais com integração real de diferentes informações: fácil importação de dados, cálculos, ajustes, registro de varredura e gerenciamento de nuvens, pontos, medidas, superfícies e imagens, utilidades topográficas e funções de desenho. 

Da importação aos desenhos finais, o X-PAD Office Fusion oferece as melhores ferramentas sem ter que passar dados de um programa para outro. Você pode carregar dados dos equipamentos, calcular, visualizar e gerenciar. 

Com o X-PAD Office Fusion você pode lidar com diferentes tipos de dados: medidas, pontos, desenhos, superfícies, seções transversais e nuvens de pontos. Com o gerenciador de projetos, você organiza os dados no mesmo arquivo de trabalho. Múltiplas sessões de pesquisa e diferentes grupos de desenhos podem ser gerenciados e os dados tornados visíveis ou invisíveis em a qualquer momento.

Visibilidade de dados em um ambiente de trabalho moderno, projetado para dados geoespaciais, e um poderoso CAD 3D são a estrutura básica na qual os módulos topográficos e de scanner a laser foram desenvolvidos.

O X-PAD Office Fusion CAD combina os dois, um CAD projetado para operar de acordo com os padrões definidos pelo AutoCAD, mas também feito para uso topográfico. Quando você precisa indicar uma coordenada, pode digitar o nome do ponto correspondente; ou você pode selecionar objetos topográficos (pontos e linhas) de acordo com o código de levantamento.

Além de contar com uma poderosa ferramenta em Nuvem, onde as equipes de campo e escritório ficam interligadas, realizando tráfego de informações entre os equipamentos e computadores em escritório, ganhando produtividade no dia a dia.

Kits PPK1 x PPK2

Tempo de leitura: 4 minutos.

Tempo de leitura: 6 minutos.

Neste vídeo abordamos algumas características dos kits PPK1 e PPK2. O PPK é um método de posicionamento por satélites, relativo pós-processado. Portanto, devemos estar atentos a estação de referência; estação base que servirá de referência para o pós processamento. 

A utilização na estação base de receptores simples frequência, trarão precisões diferentes quando comparado a utilização de receptores multi-frequência, com mesmo tempo de rastreio. Como ilustração: se tivermos que fazer o levantamento de uma área dividindo em três diferentes voos, realizando assim o transporte da base, a utilização de um receptor L1, simples frequência, pode gerar diferenças devido às precisões que vimos anteriormente. Num comparativo, podemos entender então que a mesma situação, agora utilizando um receptor L1/L2, multifrequência, ao ajustarmos os processamentos encontraremos melhores precisões. 

Uma característica dos kit PPK refere-se a placa GNSS instalada em cada um deles. O kit PPK1 possui a placa Emild Reach M+, enquanto o PPK 2 possui a placa Emild Reach M2. A placa M+ é simples frequência, rastreia sinais GPS, Glonass, Beidou, Galileo, possui 72 canais e uma memória interna de 8GB. Já a placa M2 é uma placa multi-frequência, rastreia sinais GPS, Glonass, Beidou, Galileo, possui 184 canais e 16 GB de memória interna. Ainda com relação a nossa estação base é importante para melhor performance do PPK 2 a utilização de um receptor L1/L2, em especial que rastreie o código L2C, da constelação GPS. Hoje em dia muitos receptores já fazem o rastreio desse sinal, porém, é importante a confirmação junto ao fabricante. 

Temos então algumas diferenças, como a frequência dos kits; a quantidade de canais, o PPK2 possui uma maior quantidade de canais gerando assim um maior volume de dados; a relação com o receptor utilizado como base; a diferença de memória interna entre cada um dos kits e temos também diferenças entre distância de linha de base e tempo para solução de ambiguidade. O kit PPK1 alcança uma linha de base de aproximadamente 20 Km enquanto o PPK2 uma linha de base de 100 Km. O tempo de solução de ambiguidades após inicialização do PPK1 é de 3 a 5 minutos enquanto o PPK2 de 1 a 2 minutos. 

Temos algumas composições que podem ser feitas. A utilização de uma base L1 com PPK1 ou uma base L1/L2 com PPK1; temos também a utilização de base L1 com PPK2 ou a utilização de base L1/L2 com o PPK2. Podemos observar as seguintes características com essas composições. Teremos uma melhor solução de ambiguidades na utilização de uma base L1/L2 com kit PPK2. Teremos também, com relação ao tempo de inicialização, algumas observações, diferenças entre as composições. Há um menor tempo de inicialização para a composição de base L1/L2 com o PPK2. 

O transporte da base é melhor realizado com uma base L1/L2. E com relação a linha de base a combinação do kit PPK2 com uma base L1/L2 garante um maior alcance. Por fim, uma importante característica a ser observada, são as configurações das câmeras utilizadas pelos drones. Os kits PPK Guandalini estão disponíveis para Phantom 4 Advanced e PRO, Mavic 2 PRO e Matrice 200/210. 

Essas questões refletem na precisão do posicionamento nas imagens, uma vez que câmeras do tipo Rolling shutter fazem a captação da imagem em fileiras gerando assim, um efeito de arrasto, enquanto a Global shutter faz uma captação única.